segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Controle - Abilify - Primeiro comprimido digital com sensor de microchip para garantir que paciente use o medicamento

De arrepiar! Foi aprovado pela FDA, em 14.novembro.2017, a introdução de um microchip no psicotrópico Abilify (aripiprazol), para monitorar se o paciente efetivamente está tomando a droga psiquiátrica conforme a prescrição. Isto garante o controle por parte do médico, tribunais e família. Está comprovado que "74% das pessoas que iniciaram medicamentos antipsicóticos deixam de tomá-los no prazo de 18 meses. 
Pense nisso: diante da onerosa falência de 74% de uma intervenção farmacêutica, por que a questão principal é considerada a conformidade e não a eficácia e a segurança e a satisfação dos consumidores?"

O primeiro comprimido digital chama-se Abilify MyCite e combina o medicamento antipsicótico aripiprazol com um pequeno sensor passível de ser ingerido. É usado no tratamento de esquizofrenia ou de doença bipolar. 
No Brasil, infelizmente, também para TDAH e outros transtornos.





Esta publicação mescla textos de dois artigos do autor, respectivamente de 2015 e outubro de 2017. Para ler na íntegra, ver os links citados ao final da página. (em tradução livre por Marise Jalowitzki) 

Eu senti um arrepio atravessar meu corpo quando eu li que a FDA concordou em revisar para possível aprovação (o que aconteceu agora, em outubro de 2017 -NB) uma nova forma de droga Abilify que contém um sensor de microchip capaz de enviar uma mensagem que indique o tempo exato em que um tablet se dissolve o estômago. A mensagem é registrada por um patch de pele - juntamente com dados como o ângulo do corpo da pessoa e padrões de atividade - e, de acordo com um comunicado de imprensa da Proteus Digital Health, o desenvolvedor do dispositivo, "esta informação é gravada e transmitida aos pacientes em um telefone celular ou outro dispositivo habilitado para Bluetooth, e apenas com o seu consentimento, ao seu médico e / ou aos cuidadores ".
O gigante japonês da droga, Otsuka, se uniu à Proteus Digital Health em 2012 para criar este novo e potencialmente lucrativo "chip em uma pílula", assim como sua patente na Abilify - em US $ 6,9 bilhões, a droga mais rentável dos EUA em 2013 - foi definida para expirar em 2014, deixando um dos mercados mais valiosos de Otsuka vulnerável aos genéricos. É especialmente ameaçador para mim que o nosso governo esteja tentando passar o Murphy Bill, o que tornaria forçado o tratamento em casa, ao mesmo tempo em que está caminhando para colocar um dispositivo orwelliano nas mãos de uma empresa farmacêutica, tribunais e famílias.
De acordo com o Washington Examiner :
"A nova droga inteligente poderia ser particularmente útil para garantir que os doentes mentais continuem a tomar os seus medicamentos, não apenas dando aos médicos uma forma de controlar o seu comportamento, mas os tribunais também ... todos, exceto cinco, têm programas ordenados pelo tribunal onde um juiz pode mandar que os infratores com doença mental grave se mantêm com um programa de tratamento como condição de permanecer na comunidade ".
(...) O contrato social desenha uma linha invisível que deve ser protegida contra forças em uma sociedade que, impulsionada por medos, fantasias de benevolência ou por simples ganância, e cega e surda aos gritos de seus cidadãos à medida que sua integridade corporal e pessoal são fundamentadas em pó, são obrigados a aceitar o nome de "saúde" e "segurança" para o que pode lhes significar apenas riscos.
Às vezes, a radicalização das pessoas assume politicamente uma ameaça realmente insensível, estúpida e perigosa para a liberdade das pessoas. Este é um desses momentos.
artigo do Washington Post cita pesquisas recentes que mostram que 74% das pessoas que iniciaram medicamentos antipsicóticos deixam de tomá-los no prazo de 18 meses. Essa é a justificativa oferecida por uma droga psicológica que monitora o próprio uso do paciente.
"Esses indivíduos já têm uma história de problemas devido à sua falta de vontade ou incapacidade de cumprir voluntariamente com o tratamento ... isso poderia ser um "avanço" importante para eles que os ajudaria a manter o cumprimento do tratamento".
- DJ Jaffe da Orgânica da Política de Doenças Mentais.
Pense nisso: diante da onerosa falência de 74% de uma intervenção farmacêutica, por que a questão principal é considerada a conformidade e não a eficácia e a segurança e a satisfação dos consumidores? E por que estamos "preparando" para garantir o cumprimento, em particular, de uma droga que mesmo a FDA admite ter um mecanismo de ação desconhecido?
Quais outras especialidades médicas responsabilizariam os seus pacientes por não tomar os medicamentos que lhes foram prescritos? 
Para uma área que assumiu a carga de controlar e regular o desvio social, os limites éticos que a FDA deve proteger são desfocados, devido à crescente percepção de que as pessoas diagnosticadas com DSM são riscos potenciais para a sociedade, apesar de um risco irresistível em contrário estar sendo cotidianamente apontado: o de que um diagnóstico DSM deva ser um sinal de que uma pessoa precisa e merece nossa proteção.
Somente uma visão de mundo que abraça a doença e o modelo de desvio do sofrimento emocional humano ousaria sugerir colocar um sensor em uma substância psicoativa para monitorar e impor sua ingestão por um cidadão de outra forma livre.
Eu acredito que, em algum nível muito básico, a empatia parece ter falhado em uma sociedade que vê a necessidade de desenvolver uma substância psicoativa equipada com sensor. A grande ênfase na priorização da conformidade com prescrição, sem considerar a profunda experiência subjetiva - para qualquer um, e muito menos para uma pessoa em crise - de ter um objeto estranho digitalizado inserido no fundo de seu estômago, um objeto que, por sua vez, envia mensagens para uma presença externa invisível... Esta negligência equivale a um tropeço vertiginoso no fracasso da nossa sociedade em reunir empatia e compaixão por seus membros, em vez disso, entregando-os, sob a forma de um mercado agora literalmente cativo, aos fabricantes de drogas.
Eu tenho tido clientes em terapia há mais de 35 anos e, em nenhum momento, posso me imaginar sentado a poucos metros de distância de uma pessoa em perigo e sugerir-lhes que eles deveriam considerar ter um dispositivo dentro deles que me avisaria todos os dias, à distância, suas experiências mais íntimas - e muito menos quando eles digerem algo, ou quando tomaram seus remédios. Eu não poderia fazê-lo. Isso seria mal intencionado e perverso.
E não quero ser parte de uma sociedade que faria tal coisa. Mesmo - e talvez especialmente - se fosse feito "em meu nome".
Há uma aura de algo vergonhoso, uma violação de um direito humano básico à privacidade e limites corporais que está sendo ignorado na busca deste novo monitoramento digital da medicação psiquiátrica. A vergonha é que, com uma pílula que registra o momento de sua absorção em nossos corpos, estamos vendo a realização de um ideal muito procurado de governos totalitários, para atravessar a barreira hematoencefálica, obtendo acesso ao próprio assento de nossa autonomia e de nossas almas. Com isso, a Otsuka poderia reformar seu marketing para a Abilify renomeando-o "Dis-Abilify", sem se arriscar - e potencialmente aumentar, em uma sociedade que parece abraçar exuberantemente um ideal orwelliano - sua participação de mercado.
Este é um tempo, se houver um, para que os cidadãos atuem, e para agir de forma decisiva, antes que a capacidade de tomar decisões, e muito menos de atuar sobre elas, seja excluída de nossos corpos completamente pela próxima onda de desenvolvimento farmacêutico.
É claro que alguns se oporão à minha caracterização daqueles que desenvolveram esse aparente e importante avanço médico, como falta de uma bússola moral. Mas, eu já ouvi os gritos de indignação e medo de muitos daqueles para quem esse medicamento orwelliano se destina!
Eu vou terminar aqui com uma citação cada vez mais adequada de CS Lewis -
"De todas as tiranias, uma tirania sinceramente exercida pelo bem de suas vítimas, pode ser a mais opressiva".

O Aumento Progressivo

O Novo Abilify Digital Orwellian Subjugará Pessoas Vulneráveis ​​em todo os EUA


Publicado no MIA em 19.novembro.2017
"Em 2015, escrevi um artigo da MIA intitulado " Mecanização de medicamentos: Sensores Microchip em Abilify para Aumentar a Conformidade com Medicamentos ". O artigo advertiu sobre a FDA considerando a aprovação de uma nova forma de Abilify que carrega um microchip dentro para enviar informações digitais sobre a ingestão dos pacientes que receberam o carimbo de prescritores, e também para compartilhar tais informações com familiares e autoridades legais.
A FDA aprovou a prescrição e venda desta nova tecnologia de controle de conformidade de alta tecnologia "antipsicótica" esta semana. Eu acredito que este novo instrumento farmacêutico orwelliano de controle individual e social invasivo servirá para inaugurar uma paisagem ainda mais desoladora de opressão e sofrimento humano.
Tenho sido um terapeuta dissidente, com experiência vivida de estados extremos na área da Baía de SF desde 1980. Vi o crescente poder político unificado do NAMI, a APA e seu paradigma de modelo de doenças psiquiátricas, além do fluxo de caixa da Big Pharma. (...) 
Então, estas são algumas das minhas preocupações pessoais sobre a deterioração da situação dos direitos humanos para pessoas em estados extremos aqui, que agora são multiplicadas por meus profundos medos sobre como o novo Abilify digital será usado como uma arma poderosa para ainda mais atrapalhar, desmoralizar e abusar de pessoas vulneráveis.
Eu vejo que, com estas prescrições de controle, uma lesão trágica vem não apenas através dos efeitos de drogas que neutralizam a emoção, já documentados aqui em MIA por mim e muitos outros (veja meu post " Ensaiado para Abilificar "). Também vejo ferimentos pessoais trágicos através da intenção traiçoeira de seus adeptos. Eles pretendem usar a nova forma de monitoramento digital da Abilify para controlar a conformidade das doses "antipsicóticas" das pessoas dentro de seus próprios corpos, algo que eu acredito que faria com que os visionários distópicos como George Orwell e Aldous Huxley estremecerem. (...)
Como a Califórnia, quase todos os estados agora têm alguma versão do tratamento obrigatório de medicamentos requisitados no tribunal com base na lei estadual, de modo que a conformidade com a medicação para pessoas em estados extremos da comunidade pode ser ordenada pelo tribunal.
Na Califórnia, o estatuto de governo é chamado de Lei de Laura. Baseia-se na lei de Kendra de Nova York, onde a polícia pode e realmente aparece na porta em Nova York para escoltar o "paciente" para a clínica para ingestão de medicação antipsicótica, caso eles não tiverem mantido seus compromissos com os medicamentos prescritos. (...)
É muito sinistro que, sob a Lei de Laura da Califórnia, os condados da Alameda, Contra Costa, Marin e San Francisco na Área da Baía e muitos outros condados da Califórnia, incluindo o gigante LA County, escolheram a opção de forçar as pessoas a tomar medicamentos em suas próprias casas ou serem considerados culpados, como violadores de uma ordem judicial.
A aliança incrivelmente politicamente bem-sucedida (e eu diria impiedosa) de NAMI, Big Pharma e APA (que representa 25 mil psiquiatras - modelo médico/doença) agora está direcionando os políticos do condado de Sacramento e Santa Cruz para também votar na opção domiciliar de tratamento de medicamentos forçados sob a Lei de Laura.
Essa poderosa aliança política recentemente conseguiu obter a maioria dos votos para garantir a medicação compulsória domiciliar também em San Francisco, em Oakland e Berkeley, e no condado de Alameda - possivelmente três das cidades politicamente mais  progressivas dos Estados Unidos!
Essa aliança é o implacável inimigo que enfrentamos. Este inimigo lutou tenazmente e ganhou quase todas as batalhas políticas por medicamentos forçados em domicílio em todo Estados Unidos.
Além disso, essa aliança ganhou recentemente uma grande vitória, já que o Congresso dos EUA, que eles pressionaram implacavelmente por décadas, finalmente respondeu com a recente passagem de 2017 da histórica legislação de saúde mental de Murphy. Esta legislação aumenta a coerção de um tratamento comunitário compulsório, mediante a concessão de financiamento através de dólares federais, com os requisitos que os estados e municípios possuem tais programas legalmente mandatados.
O microchip de controle de conformidade Abilify é projetado para fornecer aos prescritores de medicamentos, aos membros da família NAMI e tribunais, o poder prático para resolver o fato de que 74 por cento das pessoas em estados extremos, aos quais são prescritos medicamentos "antipsicóticos" pararam de usá-los em 18 meses, como um grande estudo de pesquisa recentemente confirmou  . Na perspectiva deles, isso é inaceitável.
A pressão tremenda, eu acredito, também será exercida pelos prestadores de cuidados de saúde mental, para as pessoas voluntariamente aceitarem tomar o novo Abilify digital. Eu vejo que a pressão é colocada em pessoas que procuram quitação de unidades internas, e a pressão será colocada também em pessoas em estados extremos ou com tais históricos, que estarão envolvidas em qualquer lugar do espectro de serviços comunitários de saúde mental e em prisões e abrigos também. Tanto nos estabelecimentos de saúde mental, quanto nos sistemas penais, a conformidade com a medicação, não fornecendo cuidados humanísticos, é claramente a maior prioridade. (...)
As pessoas que desejam e precisam controlar outras pessoas de qualquer maneira, geralmente são limitadas pela incapacidade de encontrar uma forma poderosa de fazê-lo. O poder sempre é potencialmente perigoso, como podemos verificar todos os dias ao olharmos as notícias.
Esta semana, a FDA, a agência governamental criada e financiada para nos proteger de substâncias e drogas prejudiciais, fez história ao revés.
Estou marcando meu calendário. Esta semana, em novembro de 2017, um novo capítulo da escuridão humana desceu - um capítulo que é aplaudido pela aliança de viciados em controle e poder, aconteceu.
Como seria esperado com esses tipos de projetos de engenharia social moralmente sinistros, o aumento do poder de controle internalizado do estado passa, a partir de agora, a morar e monitorar o interior de nossos próprios corpos. E isto foi celebrado como 'uma vitória da razão, da luz e da generosidade mais 'bem intencionada' dos vencedores que receberam suas saudações, nesta semana fatídica.



Uma compreensão alternativa da natureza da loucura: o Dr. Cornwall quer que este artigo ajude a aprofundar a nossa compreensão do mistério da loucura e nos ajude a aprender maneiras de se cuidar de forma amorosa quando estamos bravos e de responder amorosamente aos outros quando estão bravos. Ele pode ser alcançado em seu site - " O que é Madness? "






Fontes:
COMO FUNCIONA O MICROCHIP ABILIFY?

"O sensor, tão pequeno quanto um grão de areia, é ativado quando entra em contato com os fluidos do estômago e comunica essa informação para um adesivo digital colocado na zona das costelas, que detecta e registra a altura em que o comprimido foi tomado. A informação recolhida pelo adesivo é depois enviada por Bluetooth para uma aplicação de telemóvel, que permite ao paciente ver o registro de tomada dos medicamentos e partilhar essa informação com o médico — o utilizador pode ainda permitir que outras quatro pessoas (da família ou prestadores de cuidados) tenham acesso a essa informação...

A detecção da ingestão pode demorar entre 30 minutos a duas horas (e, em alguns casos, até pode não chegar a ocorrer), razão pela qual a FDA alerta que o mecanismo não deve ser utilizado para controlar a ingestão em tempo real ou durante uma emergência." (...)
Claudia Carvalho Silva (PT)

O que mais vai acontecer?
Você tem dúvida que estas medidas vão se estender a todos os demais medicamentos psiquiátricos?
Isto representa ou não um dos maiores marcos de subjugação social?

 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Especialista em Desenvolvimento Humano. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Póa-graduada em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 
blogs:
www.marisejalowitzki.blogspot.com.br

LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM

Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade