segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

TDAH e Agressividade - 8 Dicas para Lidar com a Agressividade dos pequenos



A birra, a contestação e a agressividade em crianças necessitam ser conduzidas desde cedo, através de uma atitude amorosamente firme dos pais.





Por Marise Jalowitzki
29.dezembro.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/12/tdah-e-agressividade-8-dicas-para-lidar.html

Coerência na atitude dos pais.
Nada de prometer uma coisa e, depois, não conseguir cumprir.
Sejam promessas de carinho e recompensa, sejam ameaças de castigos.


ANTES de pensar em simplesmente medicar seu pequeno agressivo, para que "se aquiete", atente para alguns passos que podem ajudar:

1- Empatia - A sabedoria está em se colocar no lugar do pequeno, procurar perceber COMO ELE (com sua pouca idade) vai entender uma ordem, um olhar, um tom de voz! Um erro bastante comum é o adulto "mostrar a sua diferença" ficando em pé, apontando o dedão e alterando a voz. A criança, se olhar de baixo para cima, vai sempre "imaginar o pior". 

Se a criança baixar a cabeça e apenas se submeter, estará contendo tudo o que pensa, represando seus sentimentos, o que em nada garante que está aceitando; pode, isso sim, guardar ressentimentos que, mais tarde, vão eclodir de uma forma inusitada! 

Se ela for mais destemida e ficar encarando (mesmo com a enorme diferença de tamanho entre o adulto e ela), por certo estará internalizando uma reação de contra ataque O ideal é o adulto ficar na mesma posição da criança, horizontalmente parelho; é uma posição bastante efetiva, equilibra o "olho-a-olho". Os lobos fazem assim quando querem ensinar (ou repreender) um filhote que precisa de uma correção em sua atitude. O lobo-pai deita-se no chão, onde o lobo-filho está todo submisso, emite um som do tipo "Ok, sei que sou o grandão, mas preciso que entendas como as coisas são!"

2 - Atitude Coerente - O adulto, ao chamar a atenção de uma criança ou adolescente, precisa ser firme, sem rudeza; objetivo, de poucas palavras, sem grosseria. Dizer e prometer só o que vai efetivamente, cumprir, seja em recompensas, seja em ameaças. E, mesmo se colocando no lugar do pequeno para poder usar das melhores palavras e ações (exercício da empatia), nunca deixar de ter em mente que ele é o adulto e, portanto, responsável. Assumir seu papel educador. 

Uma atitude ruim é ameaçar, ou até bater e, depois, se arrepender e ficar chorando (como acontece com muitas mães!). Ou ficar gritando, enfurecido e indignado, repetindo xingamentos em voz alta (como acontece com muitos pais e educadores). O equilíbrio terá de ser exercitado sempre. Deixar bem claro, explicar de uma forma suave e, ao mesmo tempo, firme, o que é o certo e o errado para aquele núcleo familiar, por exemplo, desde cedo, tem de vir acompanhado da devida coerência. Não adianta um pai dizer: "- Não grita! Para de gritar!" - se o pai diz isso gritando! Igualam-se em conflito e parecem estar competindo (e estão!)! Só que quem costuma levar a pior quando o pai se desequilibra na raiva, é a criança. Aí começam os ressentimentos e as revoltas. Aprendizado para os pais. Difícil, mas necessário aprender.

3 - Ouvir os sentimentos da criança - Encorajar a criança a dizer o que está sentindo é MUITO importante! Para isso, os pais precisam aprender a ouvir, "permitir" que a criança sinta raiva, entender e aceitar que ela está revoltada (o que não quer dizer que esteja com razão). Deixá-la expressar o que sente, o desconforto, a discordância! Essa discordância pode acontecer até no ventre! Quantas mães possuem a experiência de muitos chutes depois de um dia exaustivo de trabalho, por exemplo! A criança também está cansada, desconfortável e se manifesta! Quando a mãe passa gentilmente a mão na barriga e diz: "Tá ruim aí, né meu querido? Tá desconfortável, né? Sei que está sendo barra pra você também! Logo vamos aquietar!" - o feto relaxa. 

"Poder sentir" que é compreendido em seus sentimentos, receber esta "permissão" materna ou paterna, desde muito cedo, ajuda o pequeno a identificar seus sentimentos, tornando mais fácil atender aos chamados dos genitores.


Qual foi a última vez que você levou seu filhote para um passeio em contato direto com a Natureza?
(Créditos da foto - Alexandre L. Souza)

4 - Evitar a crise de raiva ou birra mudando de cenário - O dia a dia dá condições da mãe ou responsável saber quanto tempo dura uma contrariedade antes de se tornar uma crise. Levar a criança para uma outra atividade, distraí-la do foco que almeja, não é "enganar" a criança. Nem é "perder a autoridade", como algumas mães acreditam. Para aprender o que deve e o que não deve fazer, a criança (e o adulto) precisam estar em condições de ouvir e falar. Depois que as emoções desandaram, ninguém mais assimila nada, nem quem fala, nem quem deveria ouvir! 

A criança pode ser distraída para outra cena sem que isso afete a autoridade materna. Vale levar para olhar janela fora, distrair com um bichinho, levar para dançar. Só não vale deixar fazer o que a mãe julga que precisa ser reprimido naquela hora! 

EVITAR a crise é tudo de bom! Depois que ela acontece, o que existe é um tremendo jogo do poder, que pode redundar até em agressão física. Lembrando: submeter não significa que a criança aprendeu! Ela se submete, mas ninguém sabe o que resultou em seu íntimo! 

5 - Estar atento para o cansaço, a fome ou até a exaustão de uma brincadeira - Neste sentido, o corpo do pequeno é como um reloginho! Quanto mais cansado ou com fome, maior o protesto, a briga, a birra, a manha, o berro. É como se a criança desatinasse! Isso pode acontecer em diferentes horários, mas, quase sempre, acontece antes de dormir. Parece que a criança "briga contra o sono", ou, "bem quando está com fome, acaba não comendo"... Tentar manter uma rotina de horários é bem importante. Não marcar outros compromissos nestes horários. Perto da hora de dormir, música mais tranquila nem sempre funciona. Não ponha nada, então! Agitar o cérebro só vai trazer um sono inquieto. Filmes menos tensos, fala mais branda. E entenda e perdoe, pois é o que queremos, também como adultos, quando temos as nossas crises de mau humor (geralmente maiores depois de um forte stress no trabalho ou trânsito!!).

6 - Dormir sozinho - Uma das maiores dores de cabeça de pais é na hora de dormir. O que fazer quando o filho teima em não dormir sozinho? Os pediatras mais ortodoxos que me perdoem, pois vou falar uma coisa que muitas mães fazem mas que, na hora da consulta, omitem de confessar: deixar o filho dormir com os pais! Pode acontecer, sim, de o filho ter medo de dormir sozinho; pra que deixar se "desmanchar chorando"? São poucas as mães que conseguem deixar isto acontecer. Sempre achei um pecado! Mas elas, por orientação do pediatra, muitas vezes tentam, até que, igual, não aguentam e vão lá pegar o pequeno nos braços. Esta inconstância de atitudes deixa a criança bem confusa! Muita conversa, acertos, contratos (mesmo quando o bebê é pequenininho e se pensa que "não entende nada") é importante criar rituais. A melhor maneira não é deixá-lo chorar até adormecer sozinho, não! Sensação terrível de solidão, isolamento, abandono uma criancinha deve sentir nestes momentos! "Domar" não é ensinar! Este "conselho" de deixar chorar até adormecer tem mais de 40 anos, eu suponho, pois eu já o ouvi na minha experiência de bebê pequeno. 

E, conversando com muitas e muitas mães, seja naquela época e ainda agora, são inúmeros os casos em que os pais permitem o pequeno dormir junto, ao lado, pelo menos até adormecer e, depois, levá-lo para a sua caminha. Nos próximos dias, a mãe fica com ele (ou o pai), até ele adormecer em seu berço-quartinho. Se acorda durante a noite e vem para o quarto dos pais, acolhê-lo naquele momento e, no outro dia, negociar. E ir criando acordos, até conseguir mudar. Com alguns é mais rápido, com outros, não. Com o tempo tudo vai ficando mais natural. A autoconfiança aumenta. Sei mesmo de adolescentes que ainda curtem um ambiente de acampamento e, noutros dias, vão naturalmente dormir em suas camas! 

Em nossa sociedade temos muitas manias de inflexibilidade! Acaso um adulto é "independente" por dormir sozinho? Porque os adultos, quando se casam, dormem juntos, então? Não, não é só por querer fazer sexo. É porque curtem dormir junto a quem amam! Com a criança não é diferente!

7 - Ampliando os acordos para não passar por 'shows' em público - Uma das maneiras que os filhos mais entendem e aceitam é quando recebem "um papel a cumprir", uma tarefa que os comprometa. Assim, a fim de evitar os já conhecidos escândalos em público, é importante conversar antes, explicar onde vão, o que vão fazer, quanto tempo vai demorar (bastante ou pouco), dizer que precisam dele para isso, que a presença é importante, deixá-lo escolher algum produto no supermercado, essas coisas. Tudo dentro de uma listinha previamente acertada. De início ele pode até não aceitar, mas, continuando a repetir, lembrando-o do acordo, a coisa se torna mais conhecida, mais rotineira, com mais chances de dar certo! 

Não adianta deixar a criança escolher o que quiser, encher o carrinho e depois, deixar no caixa! A revolta virá igual. Apenas será postergada! Já ouvi meninos de 7 anos no supermercado dizendo, revoltados: "Não sei porque ainda confio em ti! Tu sempre me deixa escolher, depois não leva igual!" Uma criança adora se sentir importante e necessária. E ser respeitada (nós adultos, também!). Perseverança!

8 - Introduzindo pequenos limites - Vi isso acontecer com todas as crianças com quem tive contato até hoje: minha filha, meus sobrinhos, as crianças de meus amigos, meus netos. 100, 200 vezes dizendo para não botar o dedinho na tomada (mesmo quando colocam aquele adesivo sobre), não quebrar a ponta de uma planta, não pegar as panelas do armário e espalhar tudo pelo chão da cozinha, não esvaziar toda uma gaveta de roupas. A negociação é MUITO importante, sempre! Não vale apenas "esvaziar o ambiente", mudando tudo de lugar, retirando do alcance, apenas para evitar que a criança pegue.  É importante negociar. Com um ano, um pouco mais, o nenê gosta de bater panelas? Destacar uma ou duas, mostrar que as outras, não! Arrumar umas colheres de pau ou de nylon, ir trocando essas, mas dar a noção de limites para o conteúdo total. Fazer a mamadeira e mostrar que está quentinha, que precisa esfriar um pouco mais, ensina a criança a esperar, a não ter sua vontade sempre satisfeita de imediato. O telefone toca e é preciso atender? Tenha já alguma distração para oferecer, para que não fique puxando a roupa ou gritando. 

A criança, na continuidade, vai entender que há situações que se sobrepõem à sua vontade. Quanto mais cedo isto for acontecendo em sua vidinha, mais ele vai assimilando que vida inclui esperar, negociar, colaborar, estabelecer trocas, negociar. Vai frustrar, também, sim, mas o sabor será menos acre. E quando receber os resultados prazerosos anteriormente prometidos, vai sentir que valeu a pena! 

A famosa psicologia comportamental visa tudo isso: munir a criança de ações pessoais que a coloquem em condições de convívio social mais integrativo e ameno. Uma criança que voluntariosamente se opõe ao que os pais querem dela, não deve ser vista como uma criança "má", "teimosa" ou "dominadora", embora tudo isso possa acontecer, na continuidade, se não for direcionado devidamente, quanto mais cedo, melhor. 




 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Seres humanos chipados ou Robôs humanizados? - Transhumanismo e Robótica Social



Robótica Social - Cientistas observam a instabilidade de nossos dias (ambiental e humana) e decidem trabalhar com afinco na criação de robôs humanóides, com inteligência, criatividade, sabedoria e compaixão, para sobreviver e dar o salto para o próximo estágio da existência humana.


O que você opina sobre isso?
Qual sua parcela de ação neste movimento tão contemporâneo?



Robótica Social e Robôs humanoides - Einstein - Robots humanoides já interagem, captam expressões e olhares e travam diálogos inéditos, além dos programados.

Os cientistas envolvidos nos diferentes projetos estão convencidos da extinção da humanidade em um tempo não muito distante e querem assegurar a sobrevivência de uma nova civilização.


Robôs humanóides são o futuro da espécie humana? Para os cientistas, sim! Vejam ao final toda a declaração de Hanson, que transcrevo em parte aqui:  "Dada a instabilidade da época, e a crescente complexidade dos problemas globais, precisamos desesperadamente de geniais máquinas-humanas, com inteligência, criatividade, sabedoria e compaixão, para sobreviver e dar o salto para o próximo estágio da existência humana. Vamos reunir Máquinas-gênios em movimento, de código aberto, e saltar para um futuro melhor. Obrigado!"


Por Marise Jalowitzki
25.dezembro.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/12/seres-humanos-chipados-ou-robos.html


Acompanho com interesse algumas das publicações dos avanços da neurociência que, a passos largos, introduz métodos para adaptar, "acertar", reestabelecer normalidade em mentes alteradas. Caso o ser humano fosse, na sua essência, mais "bonzinho", pensando, antes de tudo, no bem estar e na aceitação das livres emoções  humanas, eu estaria entusiasticamente aplaudindo todo este movimento. É auspicioso poder imaginar a cura do Alzheimer e todas as demências que acometem idosos e outras pessoas fortemente traumatizadas. É maravilhoso pensar que indivíduos hoje devastados pela drogadição, poderiam retomar uma vida saudável e ter planos promissores para a sua existência.

Mas, confesso: causa-me mais preocupação que alegria, pois, mesmo quando os cientistas inventores iniciam seus projetos plenos de boa vontade e intenção, a história mostra o quanto tais cientistas são impedidos no meio do caminho e, não raro, pagam com a vida quando um atravessador-de-interesses se interpõe e muda o objetivo de utilização.

Assim, quando hoje publico sobre o neurofeedback, por exemplo, há que aplaudir, sim, os avanços. Tecnologias utilizadas para aumentar o fluxo e resposta neural de uma criança, sem a devastação dos fármacos (como vem acontecendo). Ao mesmo tempo, ao constatar quantos pais e mães com pouca tolerância continuam apenas querendo "produzir gênios", levando crianças normais a soterrar sua criatividade e espontaneidade, criando "vencedores-previsíveis-em-um-mundo-previsível", não tem como não se preocupar, pensando em onde tudo isso poderá levar.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Leia também:



--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Transhumanismo e Robótica Social - Seres humanos chipados ou Robôs humanizados?

Transhumanismo: 1) seres humanos cada vez mais sendo transformados em máquinas previsíveis (uso de químicos-psicotrópicos, comportamentos aprendidos, mudanças na funcionalidade cerebral...  2) robôs cada vez mais aperfeiçoados, "sentindo", reagindo e respondendo emocionalmente, para além do que seus inventores programaram...

A "migração" pretendida é, no minimo... Surpreendente! Estamos bem próximos de confundir humanos e robots.

Alguns grupamentos humanos e seus interesses (elencados aqui aleatoriamente, sem definição de relevância)

1 - Consumo
Enquanto alguns "humanos comuns" correm atrás de dinheiro e bens de toda natureza, brigam, continuam "se tapeando" em liquidações em shoppings, sem atentar para os efeitos de suas ações; enquanto bilhões devastam e destroem o meio ambiente (e os seres que são direta ou indiretamente afetados), outros "humanos reféns" apenas vegetam, na maioria das vezes sem ter o que comer, sem casa, sem acesso ao conhecimento. Estes últimos, os miseráveis, tentam sobreviver de qualquer jeito, em tristíssimas situações. Temo-los em todos os países, embora em alguns países asiáticos - como nas Filipinas, por exemplo, também no Haiti; e tantos outros do continente africano, esses quadros são ainda mais cruéis, pois expandidos a comunidades imensas.

2 - Normose
Os chamados "cidadão medianos" - aqueles que tentam, a qualquer custo, entrar no padrão instituído por uma sociedade (onde, em princípio, nós, você e eu, estamos inseridos) formam uma outra fatia humana. Pais que trabalham, que pagam impostos, que querem mostrar ao mundo "filhos perfeitos", estes empurram e forçam, especialmente os pequenos, a entrar nos padrões. Desde a primeira infância são enviados toda-sorte-azar de ações para adequar os pequenos aos moldes estabelecidos na família e na escola. Assim, programas de "aperfeiçoamento" são executados, seja através de
- fármacos (Ritalina, Concerta, risperidona, Stavigile, Neuleptil, Aderall e tantos outros psicotrópicos), seja através de
- engessados comportamentos, estudados e incorporados, previsíveis, seja através de
- novas técnicas e estímulos tecnológicos ("máquinas de ajuste neural").

Os jovens que, apesar da medicalização e os outros processos, igual não conseguem se adaptar ao instituído, recebem uma pressão fora do comum. criticas, julgamentos, exclusão, expulsão de escola... com tal pressão, vários ou fogem de casa e vão para um mundo ainda mais obscuro, ou se suicidam.

3 - Os que dominam a economia e as mentes
Grupo fortíssimo, apenas algumas dezenas de megacorporações que determinam planetariamente o que se planta, o que se colhe, como se colhe, o que se come, onde se vive, como se vive, o quanto se paga. Instiga o quanto se crê ser necessário consumir "para ser feliz" (grupo 1), também determina os modos de comportamento e resposta (grupo 2).

4 - Cientistas da robótica social
E, mais além, em laboratórios climatizados, a era da robótica social avança a passos largos e especialistas desenvolvem robots cada vez mais "emocionados" e "emocionantes".

Roberts já capta espontaneamente expressões faciais e olhares das pessoas ao seu redor e aumenta (sem comando) seu cabedal de respostas, além das inicialmente programadas!

Mundo paradoxal, onde cientistas procuram "emocionar" os robots e "robotizar" os humanos.

"O que é tudo isso? Bem, eu sou o Dr. David Hanson, e esses vídeos mostram exemplos de meu trabalho para desenvolver robôs com capacidades cada vez mais humanoides, na busca de construir gênios Máquinas-máquinas com maior inteligência que a humana, criatividade, sabedoria e compaixão. Para este fim, realizamos pesquisas na área de robótica, inteligência artificial, as artes, a ciência cognitiva, engenharia de inspiração biológica, design e implantação de produtos. Integramos esses esforços na busca de novas relações de robôs com humanos. Ao aumentar AGI entre nós, a serem protagonistas, amigos e membros da nossa família, eu acredito que eles vão evoluir na convergência de valores análogos aos nossos, e, assim, chegar a realmente cuidar de nós e ganhar nossa confiança. Além disso, eu defendo esse caminho evolutivo, que tem maior probabilidade de produzir com segurança máquinas inteligentes e criativas a nível humano. Dada a instabilidade da época, e a crescente complexidade dos problemas globais, precisamos desesperadamente de geniais máquinas-humanas, com inteligência, criatividade, sabedoria e compaixão, para sobreviver e dar o salto para o próximo estágio da existência humana. Vamos reunir em um movimento Máquinas-gênios em movimento, de código aberto, e saltar para um futuro melhor. Obrigado!"

Importante reflexão para o final do ano:
Onde iremos chegar??
O cidadão comum está apto para, pelo menos, vislumbrar o mundo que está sendo projetado?
O cidadão comum consegue entender a importância de suas ações e decisões hoje, especialmente para com seus filhos, que serão o futuro?
O que está em nossas mãos mudar?

Esta é uma série de videos que  mostram os avanços da tecnologia. O cientista é David Hanson e seu site (de onde foram transcritos todos estes videos) é o www.hansonrobotics.com

No video 10, o robô canta. e no video 11, Jules (o mesmo robô deste primeiro video, a seguir) fica na exposição "captando" novas expressões e olhares, aumentando seu arsenal de informações, interagindo com os expectadores.


 Creepily realistic robot can hold conversations and answer questions
http://www.youtube.com/watch?v=IhVu2hxm07E




Robôs super-humanoides

Hanson Robotics se esforça para criar robôs tão brilhantes como as pessoas - o que o fundador e cientista-chefe Dr. David Hanson chama Máquinas gênio. Usando métodos tanto artísticos como científicos, Hanson Robotics cria robôs com expressões faciais magistrais, personalidades de conversação, corpos de robôs que andam e com inteligência adaptativa. Ao fazê-lo, buscamos compreender a natureza fundamental da criatividade, compaixão e consciência, e a percepção humana de robôs. Também exploramos criativamente robôs como obras de arte. Fabricados para usos reais, nossos robôs servem atualmente à saúde, segurança, educação e pesquisa científica em universidades do mundo todo. Embora tenhamos um caminho a percorrer antes de alcançar o verdadeiro gênio de Máquinas, fizemos progresso real. Confira alguns dos nossos trabalhos mais recentes:
1. ROBOKIND agora lançado! Totalmente expressivo, caminha, é inteligente, efetua sua melhor pesquisa sempre. RoboKind fornece uma plataforma inigualável para a interação homem-robô:  www.hansonrobokind.com - Zeno R25
2. DIEGO-SAN, o robô gigante do bebê. Robô bebê - rosto de Hanson "DIEGO-SAN", destaque na Forbes, Phys.org, Huffington post, e muitos outros locais:
Descrição: "Diego-san", por Hanson para o Laboratório de Percepção de Máquina no Instituto de Computação Neural UCSD. Com um rosto desenhado e construído por David Hanson e Hanson Robotics, um corpo montado por Kokoro, este menino robô foi construído com financiamento da National Science Foundation e pode ser utilizado como um humano-robô em investigação e interação, devido aos seus conhecimentos programados. Com câmeras de alta definição nos olhos, Diego San vê as pessoas, tem gestos e expressões modelados em bebês humanos, imitando o que um bebê hipoteticamente faria. As expressões faciais são importantes para estabelecer um relacionamento, e se comunicar com as pessoas de forma intuitiva. Por mais uma obra de arte como a tecnologia e plataforma de ciência, Diego representa um passo à frente no desenvolvimento da robótica emocionalmente competente, com base no trabalho anterior de David Hanson com o Laboratório de Percepção da máquina, como o Einstein emocionalmente sensível mostrado no TED em 2009 ( ver abaixo).
3. Albert Einstein - Rosto criado por Hanson Robotics, corpo Hubo pelo KAIST.
4. Hanson Robotics no TED 2009, mostrando um robô Einstein emocionalmente perceptivo, que vê e imita.
Descrição: em 2009 no TED, Hanson Robotics apresentou nossa colaboração com a UCSD Lab Máquina de Percepção (Javier Movellan, Marian Bartlett, Nick Butko, Jake Whitehill, Paul Ruvolo), trabalho apoiado por Stuart Baurmann e David Hanson. Este robô rastreia rostos e sons, percebe expressões faciais, e imita expressões faciais do usuário. Nossa crença é que a compreensão de expressões humanas podem ajudar a modelar empatia humana e permitir a empatia com a máquina.
(...)
6. Philip K Dick Android:
Veja também: http://www.pbs.org/wgbh/nova/tech/social-robots.html e
Descrição:
O retrato android de Philip K. Dick, um inteligente, evoluindo o entretenimento robótico do escritor de ficção científica que foi o autor VALIS, Do Androids Dream of Electric Sheep, UBIK, e muitas outras obras-primas. Por ressuscitar PKD como um androide, procuramos perceber de nível gênio AI com compaixão e criatividade. Enquanto nós temos um longo caminho a percorrer, até mesmo as primeiras versões do robô fizeram saltos fortes rumo a este objetivo, resultando em um prêmio AAAI para os sistemas de inteligência artificial, as capacidades de ponta em conversas robóticos e interação homem-robô, e de renome mundial. A primeira versão foi construída em 2005 por Hanson Robotics com David Hanson, Andrew Olney com o Instituto Fedex da equipe de Tecnologia, da Universidade do Texas em Arlington robótica instituto, UT Dallas, e muitos outros colaboradores, e cativou o público no WIRED NextFest eo AAAI reunião anual. Infelizmente, no final daquele ano o robô estava perdido em trânsito para a Google Tech Talk, e o projeto permaneceu parado por 3 anos. Este vídeo mostra a  reconstrução do android PKD em 2010, desta vez construído por Hanson Robotics com financiamento do VPRO e colaboração de Bill Hicks, Dr. Kino Coursey, Doug Miles, Matt Stevenson e muitos outros. Ele exibe percepção no rosto, reconhecimento de voz e inteligência de conversação, adaptando as palavras de Philip K Dick e história de vida para gerar novas idéias durante a conversa com as pessoas.
A partir de 2012, o andróide PKD serve a Iniciativa para o despertar Machines (IAM), no qual a equipe sob a liderança do Dr. Ben Goertzel trabalha com os Hanson Robotics e equipes RoboKind, para dar o salto para a verdadeira inteligência artificial geral (AGI ). Este trabalho é financiado pela Fundação de Ciência Nacional dos EUA e uma bolsa ITF Hong Kong City. Temos a intenção de empurrar o android PKD até que evolua em criatividade e sabedoria sobre-humana e transcenda em uma espiral de auto-reinventar a super-inteligência de Philip K. Dick preconizada e descrita como uma vasta atividade de Inteligência em sistema vivo, e que Vernor Vinge descreve como Singularidade Tecnológica. Prevemos que isso ocorrerá em algum momento entre 15 e 30 anos a partir de agora.
8. Mais vídeos do Phil:

9. Hanson Robotics no Smithsonian.
Descrição: Hanson Robotics foi homenageado no Smithsonian Cooper-Hewitt National Design Trienal, 2007-2009.
10. Hanson Robotics Alice-Eva na Universidade de Genebra Miralab, este é um retrato da esposa de Dr. Hanson Amanda.
Descrição: Este robô serve robótica cognitiva investigação no famoso MIRA-laboratório na Universidade de Genebra, (...). hhttp :/ / www.ics.forth.gr/indigo/
10. Hanson Robotics, em colaboração com David Byrne, em "Almas e Máquinas", no Museu Reina Sofia, em Madrid.
11. Jules no NextFest:
Descrição: Hanson Robotics 'Jules robô, mostrado na Wired NextFest 2006. Jules tinha sacadas naturalistas dos olhos, interactividade converational, e uma ampla gama de expressões faciais humanoides. Nós construímos Jules para a University of the West of England, mas testado Jules com nosso próprio software em primeiro lugar, antes de enviar Jules. Desde então, Jules tem servido inúmeras atividades de ciência e desenvolvimento no ambiente de pesquisa universitária.
12. Evolução dos Robôs Hanson para Zeno RoboKind:
O que é tudo isso? Bem, eu sou o Dr. David Hanson, e esses vídeos mostram exemplos de meu trabalho para desenvolver robôs com capacidades cada vez mais humanoides, na busca de construir gênios Máquinas-máquinas com maior inteligência que a humana, criatividade, sabedoria e compaixão. Para este fim, realizamos pesquisas na área de robótica, inteligência artificial, as artes, a ciência cognitiva, engenharia de inspiração biológica, design e implantação de produtos. Integramos esses esforços na busca de novas relações de robôs com humanos. Ao aumentar AGI entre nós, a serem protagonistas, amigos e membros da nossa família, eu acredito que eles vão evoluir na convergência de valores análogos aos nossos, e, assim, chegar a realmente cuidar de nós e ganhar nossa confiança. Além disso, eu defendo esse caminho evolutivo, que tem maior probabilidade de produzir com segurança máquinas inteligentes e criativas a nível humano.Dada a instabilidade da época, e a crescente complexidade dos problemas globais, precisamos desesperadamente de geniais máquinas-humanas, com inteligência, criatividade, sabedoria e compaixão, para sobreviver e dar o salto para o próximo estágio da existência humana. Vamos reunir em um movimento Máquinas-gênios em movimento, de código aberto, e saltar para um futuro melhor. Obrigado!
E estes são dois videos japoneses:
O olhar bondoso com certeza cativa uma pessoa doente, idosa ou simplesmente carente dessa robô humanoide

Mindblowing Human Robot

http://www.youtube.com/watch?v=uhHs8tCTOus#t=16

http://www.youtube.com/watch?v=MaTfzYDZG8c





Veja também: Last Moment Robot (Robot do Último Momento) - criado para dar conforto aos doentes terminais e que chegam a óbito sozinhos...
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/11/liberar-ocitocina-e-necessario-sempre.html

Robô do Abraço ou Robot do Último Minuto (Last Moment Robot), criado por Dan Chen para apoiar e confortar doentes terminais cujos familiares não estão presentes. A necessidade de sentir-se confortado e apoiado é inerente à natureza humana. 



 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
Este artigo recebeu uma nova introdução, tendo sido o original publicado em 23.dezembro.2013, neste link: http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2013/12/transhumanismo-assista-os-videos-uma.html






quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Desejos de Natal e Ano Novo




Masai Mra - Kenya - foto David Lazar


8

Por Marise Jalowitzki
24.dezembro.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/12/desejos-de-natal-e-ano-novo.html


Hoje e sempre, desejo:


1 - Que os animais humanos cuidem de seus filhotes para que eles cresçam saudáveis - física e mentalmente - sabendo que o Amor e a Compreensão são as maiores ferramentas para que a passagem de todos por este planeta seja um feito bom, feliz, marcante, em Harmonia e Paz!






2 - Que os animais humanos lembrem que cada ser é diferente um do outro e que, apesar deste mundão caótico insistir em estabelecer padrões, regras e normas para tudo (em nome de uma pseudo organização), tais estratégias não podem ser usadas para achatar, moldar ou anular a criatividade individual e única!
Pelo Direito da Criança ser como ela é!







3 - Que os animais humanos lembrem que os animais não humanos são nossos semelhantes, e com iguais direitos a viver a sua vida de forma digna, sem crueldade, sem tempo "certo" para morrer, pois, quem decide isso é Quem Nos Criou e não um paladar viciado ou um instrumento de algum matadouro. Não ao confinamento. Não à morte de animais. Pela Vida Digna de todos os seres!







4 - Que se multipliquem a solidariedade!! Que os homens e mulheres de Boa Vontade consigam, finalmente, realizar a única viagem possível para a melhoria espiritual no planeta: a viagem da mente até o coração!
A Terra é próspera e pródiga! 40% dos alimentos produzidos vão para o lixo. Com o que se produz hoje daria para alimentar todos os famintos do mundo! Que os governos se toquem! Que cada indivíduo faça a sua parte e diminua o consumismo desenfreado!
Que no novo período que se inicia, cada um pratique os 3 R's: REDUZIR o consumo. REUTILIZAR sempre que possível. RECICLAR sempre.




Cuidar do outro é cuidar de nós mesmos!


5 - Que os animais humanos recordem que estão aqui de passagem e que a Mãe Terra nos acolheu não para a destruirmos e, sim, para a preservarmos para as gerações futuras. E que os mais frágeis precisam receber os cuidados, o zelo e o carinho dos mais fortes. Sempre.

Amar é estar perto. Amar é zelar. Amar é acompanhar. Amar é incentivar. Apoiar. Elogiar.

Masai Mra - Kenya - foto David Lazar







6 - Que os animais humanos atinjam e usem a Sabedoria para o Bem
Neste exato momento vejo um bando de pombos voando apavorados pelos estampidos de mais uma rajada de fogos!...Estranha forma de festejo, ainda que este festejo seja considerado "tão normal", os estampidos lembram momentos de guerra!
Com muita pena de todos os bichos (cães, gatos, passarinhos, animais silvestres) que irão sofrer pelas "chuvas de fogos", mais uma vez, pelos que vão morrer por hemorragia auditiva, pelos que vão ser afetados pelos tóxicos ejetados na atmosfera!
(Uma troca por fogos sem som já é um primeiro passo neste quesito!)

Fico na torcida pela tão sonhada evolução humana em tantas coisas!!






7 - Que os animais humanos tenham boa Saúde, física e mental, para discernir o certo do errado. Entendendo que o cérebro é como um PC. Depois de avariar ou viciar o HD... dificilmente voltarão a pensar e sentir como deve ser, de acordo com sua natureza e fisiologia.

Empatia para todos, eis meu mais forte desejo! Colocar-se no lugar do outro, entendendo-o e aceitando-o do jeito que ele é!

Para que tal aconteça é preciso, antes de mais nada, entender-se e aceitar-se!








8 - Que o Amor vença com melhores escores daqui pra sempre!
Que as crianças possam ser crianças, brincar sem serem julgadas pela diferenças. E os adultos possam ultrapassar as fronteiras do egoísmo.
Que os conflitos, os separativismos, as humilhações e os julgamentos, as críticas e as rejeições, se esfumacem e que os animais humanos entendam, de uma vez por todas, que viemos a este planeta para viver bem, em Harmonia com todos os outros seres.














 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:




terça-feira, 16 de dezembro de 2014

TDAH - Papeleta azul já na primeira consulta continua acontecendo - O que é preciso fazer









Por Marise Jalowitzki
16.dezembro.2014
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/12/tdah-papeleta-azul-ja-na-primeira.html


As bulas possuem muitas das explicações e alertas necessários. É certo que as letrinhas são miúdas; certo, também, que os riscos mais sérios estão lá bem mais adiante, em bula extensa... "dá uma preguiça de ler"...  Por vezes, as informações aperecem somente em sites com recomendações 'para médicos'. E, mais: tem o velho chavão: "Médico entende! Afinal, ele estudou para isto!"... Embora hoje, 9 em cada dez médicos pesquisados, declarem receitar já na primeira consulta - em média, 10 a 15 minutos...)

Muitas mães, inbox, continuam afirmando isso. Papeleta azul sem nenhum exame! Sem quase nenhuma explicação...

Este cenário deixa a responsabilidade para todos os envolvidos.

Precisamos deixar esta 'maldita' pressa em querer "resolver" logo o que se julga "problemas"....e que tem outro nome e outros procedimentos.

Para os pais: educar um filho, com Amor, Compreensão e Aceitação, fornecendo-lhe as condições para acreditar em si e enfrentar a realidade!

Para os educadores: Conduzir os pequenos e adolescentes para uma trajetória consistente, com informações e senso crítico.

Para os profissionais da saúde: atenção, zelo, envolvimento, responsabilidade e compromisso ético!!

Crianças precisam de Proteção, Amor, Respeito, Amparo e Acolhimento!!
E, sem dúvida, quem mais vai sofrer caso algo der errado, serão os genitores!

Pais e Mães, questionem, perguntem, perguntem de novo!! Na dúvida, procurem outro especialista! Informem-se sobre outros tipos de tratamento! Estabeleçam parcerias com a escola!

Evitem medicalizar seus filhos! As consequência podem ser imprevisíveis!!

Lembrando que "o consumo de substâncias farmacológicas pode ter implicações adicionais  no caráter, pois a criança é ensinada que ela somente pode 'funcionar' de uma forma socialmente adequada, se for com a ajuda destas drogas! 
Na medida em que traços de caráter são alterados medicamentosamente, deixando-o dependente de drogas psicotrópicas, isto acarreta consequências para a formação da personalidade da criança e sua autoestima, e pode promover o desenvolvimento de padrões de comportamento de dependência." (Comissão Nacional de Bioética Médica da Suíça * - Parecer 18/2011 - págs 148 e 149 - Livro TDAH Crianças que Desafiam)


(*) - Suíça é o país onde "nasceu" a ritalina



Mais sobre o tema TDAH, nestes blogs:




 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

Livro: TDAH Crianças que desafiam 

Como Lidar com o Déficit de Atenção e a Hiperatividade na Escola e na Família
Contra o uso indiscriminado de metilfenidato - Ritalina, Ritalina LA, Concerta